A proclamação da República

Portugal entrou no século XX com atraso face aos outros países da Europa e tal atraso foi encarado com pessimismo pelas elites intelectuais. O forte sentimento de decadência e a crítica das instituições monárquicas obtiveram um forte impacto na opinião pública. A modernização do país não enganou a pobreza e o atraso. Este clima de crise fornece força e legitimidade a um novo movimento regenerador que anunciava a República como solução para os males de que Portugal padecia. A perda de confiança na monarquia e a destruição do consenso relativamente às regras de jogo parlamentar e governativo são as principais consequências desse sentimento de crise. A agudização dos conflitos políticos e sociais, a partir de 1906, coloca os republicanos no centro da alternativa ao regime. A intumescência do movimento anti-monárquico, a partir de meados de 1907, é inseparável da iniciativa régia de chamar ao governo um chefe dissidente, João Franco, e de lhe possibilitar, um ano mais tarde, a ditadura. Neste clima de ausência de liberdade de imprensa e de perseguições políticas, o protesto contra a ditadura atinge o Rei e a Monarquia. Surgem as primeiras acções populares de rua e a preparação de ataques bombistas. A 1 de Fevereiro de 1908, D.Carlos e o seu filho mais velho, Luís Filipe, são assassinados a tiro. Fundada em 1895, a Carbonária Portuguesa será o principal instrumento de organização e acção pró-revolucionária. Tratava-se de uma sociedade secreta, inspirada no modelo da congénere italiana. A ditadura de João Franco favoreceu o crescimento da Carbonária e deu azo às suas primeiras acções e contactos com o Partido Republicano. Ao longo do segundo semestre de 1908 e do primeiro de 1909, a Carbonária infiltrou-se nas Forças Armadas e integrou diversos grupos anarquistas. Foi ficando claro que a revolução, a fazer-se, não poderia ser dirigida exclusivamente pelo Partido Republicano. Seria necessária a intervenção das unidades navais. Esta necessidade determinou a escolha da madrugada de 4 de Outubro para o início das operações. As coisas não correram bem, na noite do dia 3, dado que a coordenação do plano militar falhou e a revolução esteve seriamente comprometida, logo na madrugada do dia 4. Alguns dirigentes do Directório chegaram a reconhecer a derrota e o próprio Cândido dos Reis, chefe militar da revolta, pôs termo à sua vida. Ao invés da maioria dos oficiais, o guarda-marinha Machado Santos, com alguns sargentos e cadetes, optou por resistir. Era membro da Carbonária e, de facto, foram os grupos civis armados da Carbonária que, ao longo da manhã do dia 4, impediram o estrangulamento da insurreição. Ao fim do dia 4, a relação de forças invertera-se. O Rei foge de Lisboa para Mafra e daqui para a Ericeira, de onde parte para Inglaterra. Cerca das 10h do dia 5, a República é proclamada nos Paços da Câmara Municipal de Lisboa (Câmara que o PRP já conquistara nas eleições de Novembro de 1908).

 texto com adaptações consultado em http://www.cidadeimaginaria.org/bib/Portugal10-40.pdf

Revolução portuguesa

Em 1910, em que o

Partido Republicano

Une contra a monarquia.

Bombas nas ruas de

Lisboa mostram revolta e da

Infiltração da

Carbonária nas Forças

Armadas nasce a

 

Proclamação da REPÚBLICA

A revolução republicana eclodiu na noite de 4 de Outubro de 1910. As operações tinham sido organizadas pelo capitão Sá Cardoso e pelos tenentes Helder Ribeiro e Aragão e Melo, oficiais de carreira. Estavam previstos três ataques simultâneos: ao palácio real das Necessidades, onde deveriam prender o rei, ao Quartel-General e ao Quartel do Carmo, onde funcionava o comando da Guarda Municipal.

Anúncios

4 comentários

Filed under Uncategorized

4 responses to “A proclamação da República

  1. Elisabete Bárbara

    Mãos à obra! Há muito para aprender!

    🙂

  2. Pilar Lourenço

    está tão giro 😀 bom trabalho!

  3. ines

    que coisa bonita!!! nunca tinha visto nada igual

  4. Bruno Pereira

    Bom trabalho, está muito giro!!!
    LoL

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s