Personalidades da República

Carlos Cândido dos Reis nasceu em 1852 e morreu em 1910, na Travessa das Freiras, em Arroios, Lisboa. Teve uma carreira militar na Armada chegando ao posto de vice-almirante. Nunca ocultou as suas convicções republicanas, participando inclusive em manifestações públicas. Foi, por isso, um dos líderes republicanos com maior evidência na propaganda contra a Monarquia e contra os abusos do clero. Se o movimento revolucionário, a 28 de Janeiro de 1908, não tivesse falhado, Cândido dos Reis teria chefiado o movimento. Depois deste fracasso, empenhou-se cada vez mais na sua actividade contra a Monarquia. Juntamente com João Chagas, marcou uma revolução para 20 ou 21 de Agosto de 1910. Devido a uma denúncia tiveram que adiar essa revolução. Todavia, a 28 de Agosto de 1910, o Partido Republicano conheceu um importante triunfo: são eleitos dez deputados entre os quais se encontra Cândido dos Reis. Perante esta situação, abre-se caminho para a revolução republicana, que ficaria agendada para a madrugada de 4 de Outubro. A morte do Professor Miguel Bombarda, na tarde do dia 3, membro do comité civil e amigo do vice-almirante, fez recear a revolução, mas Cândido dos Reis avançou contra todas as hesitações. Os oficiais da Armada juntaram-se então no local e na hora combinados. Sob a chefia de Cândido dos Reis foi suposto dirigirem-se aos navios e fazerem desembarcar as guarnições disponíveis, com o fim de travarem o combate final contra a Monarquia. Contudo surgiram algumas contrariedades, pois a revolução em terra falhara, os sinais combinados encontravam-se todos trocados e travava-se uma batalha sangrenta. Para evitar uma chacina ainda maior, Cândido dos Reis libertou os seus companheiros de qualquer actividade e desmobilizou-os.
Depois da revolução falhada Cândido dos Reis foi para casa da sua irmã, na Rua de D. Estefânia. Pouco depois das cinco horas da manhã, quando já não se ouvia o troar da artilharia, saiu de casa. Às 6 horas da manhã era encontrado morto na Travessa das Freiras. A sua morte levantou desde logo algumas dúvidas, ignorando-se se foi suicídio ou assassínio.

Como referenciar este artigo:
Cândido dos Reis. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-11-13].
Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/$candido-dos-reis&gt;.

António Maria de Azevedo Machado Santos
O político republicano Machado Santos nasceu em 1875. Foi membro dirigente da Carbonária e um conspirador antimonárquico extremamente activo. Na altura comissário naval, foi o chefe militar da revolução republicana vitoriosa de 5 de Outubro de 1910, cabendo-lhe comandar a força que ocupou a Rotunda, em Lisboa. Pelo excepcional espírito combativo demonstrado e pela eficácia da sua acção, a Assembleia Constituinte, em 1911, promoveu-o a capitão-de-mar-e-guerra, concedendo-lhe ainda uma pensão anual a título vitalício. Mais tarde, Machado Santos chegaria ao posto de vice-almirante.
Dos acontecimentos da Rotunda dá conta um Relatório , que foi escrito pelo próprio Machado Santos mas não constitui fonte absolutamente fiável, uma vez que o autor não assistiu a certos sucessos que menciona, antes reproduz informações que recolheu junto de outros intervenientes nos combates de 1910.
Depois da instauração da República, curiosamente, Machado Santos revelou-se uma personalidade irrequieta e perturbadora da própria estabilidade do regime. Tornou-se evidente a sua incompatibilidade com a orientação política do País e a generalidade dos seus dirigentes. Nos jornais, criticava acidamente quase todos os governos, em intervenções incómodas e nem sempre claras quanto à orientação política que preconizava como alternativa. Foi apoiante de Sidónio Pais, em cujo consulado foi ministro (responsável pela pasta do Interior) e secretário de Estado (das Subsistências e Transportes), mas depois passou também a opor-se-lhe. De qualquer forma, as suas convicções republicanas foram claramente afirmadas no empenho que pôs em enfrentar a Monarquia do Norte.
Morreu assassinado, em 1921, durante a chamada Noite Sangrenta , juntamente com António Granjo.

Como referenciar este artigo:
António Maria de Azevedo Machado Santos. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2009. [Consult. 2009-11-13].
Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/$antonio-maria-de-azevedo-machado-santos&gt;.

Anúncios

2 responses to “Personalidades da República

  1. Valéria

    Acho esta forma gira de aprender

  2. Bruno Pereira

    ´sim,,,tambem acho

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s